A democracia novamente em palco em “A Fragilidade de Estarmos Juntos”

Texto escrito a seis mãos por Miguel Castro Caldas, António Alvarenga e Sónia Barbosa, “A Fragilidade de Estarmos Juntos” surgiu com uma inquietação sobre a forma como a peça “Catarina e a Beleza de Matar Fascistas” tratou do conflito democracia-fascismo e propõe um debate isento de “manipulações”. A Booker conversou com dois dos autores, que falaram sobre os riscos da polarização ideológica e da força do teatro como “palco” para se abordar a política.

Assista ao vídeo:

Assista também:

Tiago Rodrigues: “Outras catarinas virão. Haverá mais reflexões sobre o fascismo”

Álvaro Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo